03 outubro 2006

Dragoeiro santantonense

A ilha que é das montanhas também é do dragoeiro!
Quando se olha para uma revista nacional ou então um folheto turístico e se dá de caras com esta árvore, normalmente não se hesita em dizer " é Sao Nicolau"! Pois bem, a ilha de Chiquinho é que tem dragoeiro (pelo menos julga-se que é a única em Cabo Verde). Mas não, na ilha de Santo Antão há dezenas desta árvore endémica. Podem ser encontradas sobretudo nos vales subjacentes ao Planalto Leste e no concelho do Paúl.
Um dos recantos da ilha que mais esconde esta árvore histórica é Ribeirão Grande (foto). Pese embora o nome, este sítio é um pequenino vale muito escondido, situado no Planalto Leste, entre Pinhão e Monte Joana (concelho da Ribeira Grande). Para se chegar ali é preciso desvendar alguns montes por entre caminhos vicinais e atingir uma altitude de quase mil metros.
Uma sugestão para melhor conhecer as belezas escondidas deste país.

4 comentários:

Anónimo disse...

Parabens pelo blog. Está interessantissimo. Muito diversificado. Continua!
So queria fazer um pequeno reparo.Tens de ter um pouco mais de atenção ao portugues... diz-se "caminho vicinal" e não "vacinal".

Marta Luz disse...

Em primeiro lugar queria congratular ao Benvindo pelas maravilhas que escreveu sobre a minha ilha. Também devo lhe agradecer o facto de ter lembrado (descoberto) essa pequena aldeia que aliás faz parte da minha zona. Eu sou de Matinho de Leste, uma aldeia que também é visinha de Monte Joana.
É de salientar que aquelas aldeias estão sendo assoladas pelo êxodo rural, uma das consequências do seu isolamento, mas apesar de tudo continuam sendo "maravilhas escondidas" que vale a pena descobrir (revelar).

Um abraço de uma santantonense!!!

Carla disse...

Queria apenas acrescentar que na ilha Brava tambem existem Dragoeiros. Há um mesmo ao pé da Praça. Gosto muito do blog, tem Alma!

BCN disse...

Mais uma razão para não entender o porquê de se referir apenas à São Nicolau quando se fala desta árvore. Por isso penso que é necessário conhecer melhor o que é nosso.
Obrigado Carla