28 julho 2006

Quando a falta de uma letra faz toda a diferença...

Atenção: e-mail pode matar
Decidi ligar a rádio. Já passava das 8h da manhã e sintonizei a RDP- África. Como de costume lá estava o jornalista David Borges com as suas crónicas e demais novidades, de resto sempre interessantes. Nesse dia, após a habitual crónica diária, contou esta:
"Atenção, e-mail pode matar! Um casal algures nos Estados Unidos planeava umas merecidas férias num lugar bem afastado da sua residência. O marido, um banqueiro de meia idade, havia entrado de férias com uns dias de antecedência em relação à esposa, esta uma professora universitária. Então decidiu que seria melhor ir desde logo até ao local para assim providênciar um canto bem aconchegante para os dois se relaxarem. Chegou num hotel, gostou das ofertas e decidiu comunicar à esposa. Mas apercebeu-se de que não tinha registado o endereço electrónico dela. Porém, desconfiava que o sabia de coro e tentou. Por azar enganou-se numa letra e a mensagem foi parar à caixa de entrada de uma mulher cujo marido tinha morrido no dia anterior. A mulher, ao abrir a sua caixa soltou um grito ensurdecedor que os vizinhos acharam estranho e foram acudí-la. Ao chegarem encontraram-na estatelada no chão, já sem vida. Um dos vizinhos vê para o ecrã do computador que estava mesmo junto da senhora e depara com a seguinte mensagem na sua caixa de entrada:
Querida esposa, acabei de chegar agora mesmo. A viagem foi boa e as pessoas são maravilhosas. Já que estou a gostar mandei o pessoal preparar tudo para a tua vinda amanhã. Estou ansioso pela tua chegada.

Obs: a temperatura é insuportável

Um beijo do teu amor

Então já sabe, tenha cuidado com os e-mails que escreve. Como disse o David Borges, se esta história não for verdadeira é, pelo menos, bem inventada

3 comentários:

Anónimo disse...

I like it! Keep up the good work. Thanks for sharing this wonderful site with us.
»

Anónimo disse...

I like it! Good job. Go on.
»

Anónimo disse...

fogo!! impressionante! uma coincidencia terrivel!!
tristi gó!